Quem sou eu

Minha foto
Apóstolo de Cristo, Doutor em Teologia. Secret.Geral do Conselho Apostólico Brasileiro. Presidente da RAMC-Brasil, Rede Apostólica de Ministérios Cristãos, Presidente da Comunhão Cristã - Igreja Apostólica. Vice-Presidente para o Brasil da CONELA - Confederação Evangélica Latino Americana.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

CASAMENTO NOS TEMPOS DE JESUS




Entendendo o arrebatamento através do casamento judaico!


O glorioso futuro do crente

Nosso Senhor era judeu, e Ele fazia coisas como um judeu. Frequentemente, se consultarmos as leis e costumes judaicos, vamos achar muitos motivos para atitudes tomadas pelo nosso Senhor.

Vamos considerar aqui os costumes judaicos relativos ao matrimônio. Obviamente esses costumes variavam de nação para nação e de tempos em tempos. Inclusive no mundo de hoje, vemos diferentes padrões sendo acrescentados à cerimônia de casamento, em diferentes países. Os judeus tem sua maneira peculiar, baseados na velha aliança, e o Senhor, como veremos, seguiu essas tradições e peculiaridades quando escolheu sua noiva!

Devemos primeiramente notar que entre os judeus, não existe tal coisa como namoro, ou corte, como observamos hoje em dia. Casamento para eles era uma matéria legal, estabelecida por contrato e, levada adiante por procedimentos lícitos e exatos. Esse procedimentos existem hoje, de varias formas na cerimônia das bodas judaicas, e nos tempos de Jesus, isso era muito mais complexo e fascinante.

Quando um jovem judeu nos tempos de Jesus, encontrava a mulher que queria ( ou a mulher que seu pai dizia que ele queria), ele deveria se aproximar dela com um contrato de matrimônio. Ele deveria ir a casa dela com uma proposta – com um acordo legal e verdadeiro – dando os termos pelos quais ele estava propondo o casamento. O mais importante a ser considerado no contrato, era o preço que o noivo estaria disposto a pagar, para desposar aquela noiva em particular.

Então o noivo deveria pagar esse valor. E devemos mencionar que esse valor não era “qualquer valor”, modesto e barato, mas ele deveria expressar o grande custo que aquele item “a noiva” lhe traria – essa era a ideia. O jovem não deveria se iludir que estaria adquirindo algo que não lhe fosse dispendioso – comprando barato. Ele deveria pagar caro, pela noiva que escolhesse.

Quando esse assunto estava encerrado, o noivo deveria partir. Ele deveria fazer um breve discurso à sua noiva dizendo: “Eu vou preparar lugar para você”, e ele deveria retornar à casa de seu pai. De volta à casa do pai, ele deveria construir para ela uma câmara de núpcias, uma pequena suíte, na qual eles teriam sua futura lua de mel.

Devemos notar que esse era um empreendimento complexo para o noivo. Ele deveria realmente edificar um aposento separado da casa de seu pai. A suíte nupcial deveria ser linda – ninguém passa a lua de mel em “qualquer lugar”, e ali deveria haver provisões estocadas, pois noiva e noivo deveriam permanecer sete dias ali dentro ( sete anos para a Noiva de Jesus!). Esse projeto de construção tomaria praticamente um ano, e o pai do noivo deveria ser o juiz sobre quando a obra estaria terminada. (Nós podemos ver a lógica nisso – obviamente se fosse atribuído ao noivo, ele faria qualquer coisa e logo iria correndo buscar a garota!). Mas o pai do noivo, que já havia passado por isso na vida, e estava menos ansioso, deveria dar a palavra final sobre a obra estar terminada, e liberar o noivo para ir tomar sua noiva para si.

Por sua vez a noiva, estaria obrigada a esperar pacientemente. Ela deveria gastar tempo em preparar seu enxoval, e estar pronta quando o noivo chegasse. A tradição mandava que ela deveria ter consigo uma lâmpada de óleo, em caso do noivo chegar em altas horas da noite escura, pois ela deveria estar pronta para viajar de um momento para outro, assim que solicitada. Durante esse longo período de espera, ela deveria ser conhecida como “consagrada”, “separada” e “comprada por preço”. Ela era verdadeiramente uma “Senhora à espera”, mas não havia dúvida sobre o retorno do noivo. Algumas vezes o jovem poderia se ausentar por período realmente longo, mas obviamente, ele tinha pago um alto preço por sua noiva, e apesar de haverem outras mulheres disponíveis, ele certamente voltaria por sua escolhida, com a qual havia celebrado contrato.

A Noiva, nesse período de espera, deveria usar um véu, sempre que saísse de casa, a fim de que outros jovens soubessem que ela estava comprometida, e assim não se aproximariam dela com outra oferta de casamento. (Hoje a Noiva de Cristo deve se apresentar com um “véu”, “um posicionamento” – aqueles que não compreendem nossa aliança com o Senhor, tentarão nos oferecer outros contratos, que violariam aquele que fizemos com nosso Noivo. Ela deve resistir aos que ofereçam traições e aguardar por aquele que pagou o preço por ela!)

Quando o ano vai passando, a noiva deve convocar suas irmãs e suas melhores amigas, e todos os demais que deveriam ir com ela para as bodas, quando da chegada do noivo. E todos deveriam ter suas lâmpadas com óleo prontas! Se nessa altura alguém, vendo o noivo trabalhando para concluir sua câmara nupcial pergunta-se a ele: “Quando será o grande dia?” Ele teria que responder: “Só meu pai sabe”!

Finalmente, a câmara nupcial ficaria pronta, e o noivo deveria então convocar seus jovens amigos, para acompanha-lo na jornada ansiosa em busca da noiva. O grande momento chegou, e o noivo está mais que preparado, disso podemos ter certeza. Ele e seus amigos deveriam entrar pela noite, tentando de tudo para fazer a maior surpresa para a Noiva.

E essa é a parte romântica – todas as noivas judias eram “roubadas”. Os judeus tinham um entendimento especial do coração das mulheres. Que êxtase e aventura para ela, ser abduzida, tomada durante a noite, não por um estranho, mas pelo que a amou tanto que pagou alto preço para tê-la.

Na casa da Noiva, as coisas deveriam estar prontas! Pra ter certeza, que a noiva teria a maior surpresa, pois o noivo tentaria chegar à meia-noite, enquanto ela dormia. Mas as lâmpadas de óleo deveriam estar prontas, e o véu deveria estar à mão. E enquanto ela dormia vestida de noiva, ela deveria ser surpreendida com a chegada do Noivo, e pronta para seguir com Ele.

Agora, existem regras a serem observadas quanto aos sentimentos de uma mulher. O Noivo não poderia simplesmente arrancá-la de casa dormindo, pois é obvio que ela estaria dormindo com bobs nos cabelos! Na verdade, quando a turma de jovens amigos do Noive se aproximava da casa dela, eles eram obrigados a dar a ela um sinal. Alguém naquela turma deveria dar um grito!

Quando a Noiva ouvisse aquele grito, ela saberia que seu Noivo chegaria em mais alguns momentos. Ela teria tempo para acender sua lâmpada, tomar seu enxoval, e sair com ele. Suas irmãs e suas amigas, que quisessem assistir às bodas, também deveriam ter suas lâmpadas prontas. Ninguém poderia andar pela noite escura, no terreno rochoso de Israel, sem carregar uma lâmpada!

Dessa forma os jovens, deveriam entrar na casa, e levar as moças consigo. O pai da Noiva, deveria olhar a situação com outros olhos, verificando se aquele era realmente o rapaz que havia contratado o matrimônio, e acompanhando a saída do grupo. As pessoas do povoado certamente seriam acordadas de seu sono, devido à alegria nas vozes dos jovens carregando sua lâmpadas e fazendo festa pelas ruas, e todos ficariam sabendo das bodas que estavam acontecendo. Hoje, ouvimos carros buzinando, mas naquele tempo, eles viam as lâmpadas clareando a noite escura. Os que observavam, talvez não identificassem a Noiva, pois ela continuava usando o seu véu. Mas ela voltaria às mesmas ruas uma semana mais tarde, com o Noivo, e então não estaria mais usando véu. Com o retorno da Noiva junto de seu Noivo, todo povo saberia quem realmente havia se casado, e entenderiam o verdadeiro significado daquelas bodas.

Quando o grupo chegasse à casa do pai do noivo, a noiva e o noivo deveriam entram na câmara nupcial, e trancar a porta! Ninguém mais poderia entrar. O pai do noivo, enquanto isso, deveria receber os convidados para as bodas, seus amigos, e estarem prontos para celebrar o novo matrimônio. Já que o casamento duraria sete dias ( até que noiva e noivo saíssem da câmara de núpcias), o trabalho era de grande monta. Ocasionalmente os anfitriões poderiam ficar sem vinho para servir, como lemos em João 2.

Mas as celebrações não começavam imediatamente. Primeiro, o matrimônio deveria ser consumado. Os judeus eram um povo sujeito a muitas leis, e a lei declarava que noiva e noivo deveriam se tornar um só, antes do casamento ser reconhecido. Dessa forma – um dos amigos do noivo – que chamaríamos hoje padrinhos, deveria ficar à porta da câmara, aguardando o sinal da voz do noivo. Quando o matrimônio fosse consumado, o noivo deveria anunciar ao padrinho à porta, e este deveria anunciar as boas novas aos convidados. Então as comemorações começavam, e deveriam durar toda a semana!

No final da semana, a Noiva e o Noivo deveriam fazer sua tão aguardada aparição, para a celebração e o brinde de todos presentes. Haveria então um delicioso jantar, a ceia das bodas, a qual conhecemos como a festa do casamento para honrar o novo casal. Nesse momento a noiva se apresenta sem o véu, pois agora ela já é uma mulher casada, e todos deveriam conhecer quem era a eleita do noivo. O novo casal e todos os convidados deveriam então encerrar a semana desfrutando de uma magnifica festa.
Após a ceia das bodas, a noiva e o noivo deveriam partir, não permanecendo mais tempo na casa do pai do noivo. Eles por outro lado, deveriam agora ir para sua própria casa, preparada de antemão pelo noivo. ( A noiva de Cristo ficará por sete anos no céu, na casa do Pai do Noivo, e então retornar com o Noivo e ocupar o Reino que Ele preparou para eles)

Quando Noiva e Noivo viajam de volta pelo povoado, todos os habitantes percebem quem eram os noivos e onde eles passarão a morar desde então.

Esta é a cerimônia completa do casamento judaico na época de Cristo, em toda sua glória.



15 comentários:

  1. Muuuuito bom...
    Só gostaria de saber a fonte de onde esse estudo foi feito, como vc conseguiu essas informações a respeito do casamento Judeu.

    Deus o abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Sensacional, maravilhoso este estudo. Deveria realmente ser ministrado em nossas igrejas a respeito de matrimônio aos nossos jovens casais e como entender o casamento da igreja terrena com Senhor Jesus Cristo, pois aí se vê claramente o arrebatamento desta.
    Nós temos que amar e orar por este povo de todo o nosso coração.
    Glória ao Senhor por isto.

    ResponderExcluir
  3. Só faltou escrever que era poligâmico, e não monogâmico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. amado, mesmo que na época existissem vários casamentos poligamicos o evento era individual.

      Excluir
  4. nossa o senhor Deus seja louvado. fiquei maravilhado com este estudo sempre procurei fontes que falava sobre o casamento judeus de antigamente mais nunca achava por que eu tinha uma breve interpretaçao sobre esta parabola que nunca era igual a tudo que ouvia a respeito dela pois eram comentarios vagos agora sim testificou o que Deus estava me mostrando aleluia. muito obrigado que Deus abençoes todos voces para a gloria de Deus pai e donosso senhor e libertador Ieshua.

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde! gostaria de saber se os casamentos realizados nas igreja pentecostais estão conforme a nova aliança de jesus cristo. A duvida é Jesus cristo nunca realizou celebração de casamento ele participava das festais.aguardo uma resposta a respeito a minha duvida obg.

    ResponderExcluir
  6. Sem palavras... estou maravilhada com estas informações era tudo o que eu precisava saber!!! Deus abençõe!

    ResponderExcluir
  7. Muito esclarecedor, porém, Doutor, ficaria mais completo se as fontes fossem citadas, como convém que seja. De qualquer forma ajudou minha pesquisa.

    ResponderExcluir
  8. Costurou.e.remendou.textos.para.dar.vazão.a.um.suposto.arrebatamento.parece.que.o.teólogo.está.preparado.para.mentir.legal/eu.não.sei.onde.tirou.que.a.igreja.vai.passar.7anos.no.céu./tem.muitas.coisas.que.ele.não.cita.para.não.contradizer.a.religião./tenham.cuidado.com.teólogos.pq.esse.papo.arrebatamento.secreto.nao.é.antigo.os.crentes.primitivos.não.criam.assim.pois.o.texto.diz.que.sua.volta.será.tão.clara.quanto.o.relâmpago.nos.céus.a.muito.tempo.teólogos.adulteraram.o.texto.

    ResponderExcluir
  9. Sem citar fontes como se pode dar credibilidade a um artigo. Qualquer doutor sabe disso.

    ResponderExcluir
  10. PARABÉNS PELO ESTUDO POSTADO, ABRIU A MINHA MENTE QUANTO A ESSA PARÁBOLA.
    DEUS SEJA LOUVADO.

    ResponderExcluir
  11. bem explicado em parte ! mais queria ler e ouvir melhor outros detalhes, pra que fique mais claro o assunto

    ResponderExcluir
  12. http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/618841/jewish/O-Casamento-Judaico.htm

    neste blog tem muitas informações condizentes com a postagem ajuda enteder melhor as afirmações acima citadas

    ResponderExcluir